Autor: Alan Alves (CRP 08-26041)

A Terapia de Aceitação e Compromisso (Acceptance and Commitment Therapy – ACT), fundada em 1987 pelo norte-americano Steven Hayes e colaboradores (Saban, 2011) é uma terapia da chamada 3a geração de terapias cognitivo-comportamentais. Entre suas principais especificidades, segundo Hayes (2004), está o uso enfático de estratégias de mudanças contextuais e experienciais. 

A ACT tem como objetivo ensinar à pessoa habilidades psicológicas para lidar com seus pensamentos e sentimentos dolorosos de forma eficaz, de tal forma que eles passam a ter muito menos impacto e influência. Além disso, ajuda a esclarecer o que é verdadeiramente importante e significativo para o cliente, ou seja, os seus valores, e agir em direção a eles.

Desde a sua criação até os dias atuais, a ACT vem contribuindo de forma bastante eficaz no tratamento de diversas dificuldades e áreas distintas do sofimento humano. Recentemente, Steven Hayes publicou em seu blogHuffpost Healthy Living “ os resultados de seis ensaios randomizados que compararam a Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) à Terapia Cognitivo Comportamental e a outras estratégias de tratamento para o tabagismo empregadas pelo governo norte americano. Os resultados mostraram que a ACT apresentou o dobro da eficácia dos métodos tradicionais.

Em outro ensaio randomizado, Vogel (2014) traz resultados também satisfatórios da ACT no tratamento da fobia de espaços fechados. Os participantes foram divididos em dois grupos. O primeiro grupo recebeu 7 sessões de terapia de aceitação e compromisso, o segundo grupo, recebeu apenas uma sessão. Os resultados mostraram que, no grupo que recebeu 7 sessões, 92,9 % dos participantes conseguiram realizar um exame de ressonância magnética (um ambiente bastante fechado). Já no grupo que recebeu apenas uma sessão, 50% conseguiram realizar o exame.

M muitos outros estudos tem demonstrando resultados intressantíssimos da ACT no tratamento de problemas como depressão, drogadição, dor crônica, transtornos alimentares, entre outros.

Referências:

VOGEL, K. Terapia de aceitação e compromisso no tratamento da fobia de

espaços fechados: ensaio clínico randomizado. 2014.Dissertação – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Hayes, S. C. & Strosahl, K. D. (2005) (Eds.), A practical guide to Acceptance and Commitment Therapy. New York: Springer-Verlag.

Hayes, S. C. (1984). Making sense of spirituality. Behaviorism, 12, 99-110.

Hayes, S. C., & Smith, S. (2005). Get out of your mind and into your life: The new Acceptance and Commitment Therapy. Oakland, CA: New Harbinger.

Hayes, S. C., Barnes-Holmes, D., & Roche, B. (Eds.). (2001). Teoria do Marco Relacional: A postSkinnerian account of human language and cognition. New York: Plenum Press .

Comente!